Ética e fotojornalismo

De entre os vários blogs de fotojornalistas, chamou-me recentemente a atenção o do Mark Hancock. Numa altura em que as opções empresariais e a voracidade tecnológica empurram o debate destas questões para os académicos, é bom ver os também profissionais na liça. As questões que ele coloca são incontornáveis. Uma das que mais debate tem gerado diz respeito à manipulação digital de imagens. Se tivermos em conta que grande parte do poder da imagem jornalística, sempre assentou no seu carácter de testemunho, de “prova”, a possibilidade de violação do pacto presencial (para haver imagem da coisa a coisa teve de perante a câmara) faz soar todas as campaínhas alarmistas.

Na verdade, manipular imagens sempre foi possível; a diferença é que a tecnologia permite, hoje, fazê-lo melhor e por mais gente. Na origem do problema está a honestidade e a responsabilidade decorrente do contrato social que os jornalistas estabelecem com o público: manipular imagens é mentir. Ponto. Alegações, ainda que puramente técnicas, solicitando intervenção para equilibrar a luz, temperar a cor, reforçar o ângulo, são pequenas frestas abertas para a mentira , nem que seja a mentira sobre o talento do fotógrafo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: